Tuesday, May 29, 2012

MEU POEMA ACORDA DORIDO!

                                                           À memória de Luzia Bettencourt M.,
                                                           minha mãe.





Manhã virgem manhã cedo
meu poema acorda dorido
manhãs frias
vai à igreja vai à missa
em pernas de pressa:
ó Senhor pão às minhas crias.

Meu poema sofre a madrugada
a espreitar a aurora
acarreta água ensonada
enche bidão enche tamborão
de olho na torneira
música sofrida no coração.

Dorme insónias na noite escura
acorda constrangido a praça
a vender gelados
compra esperança
recebe troco ternura
bem diz os kwanzas bem diz trocados.

Caminha um sol abrasador
preocupação no rosto
meu poema tem dor
a rusga a falar serviço militar
a rusga: kwata-kwata miúdos a passear
kwata-kwata miúdos, oh desgosto!

Meu poema desperta alvorecer
lava roupa amontoada no tanque
rebenta mãos de sofrer
vende gelo no Roque
e sofre filho fugidio emigrado
filho mwangolé exilado.

Meu poema dorme cansado
é pai mãe marido mulher...
cuida os miúdos
atende o marido
dorme dorido prazer
dorrme dorido sonho de trocados.

Meu poema dobra joelhos em manhãs frias:
ó Senhor pão às minhas crias!


Décio Bettencourt Mateus
in Gente de Mulher


Luanda, 10 de Agosto de 2006.

5 comments:

NAMIBIANO FERREIRA said...

Meu mano e poeta,

Já conheco o poema do livro e é sempre com muito sentimento que o leio... que poema de uma dorida e subtil BELEZA!!! Nao pares nunca de escrever, poeta da nossa terra! Ewá!
kandandu mano.

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Obrigado mano. Muito obrigado. Kandandu.

Alcídio said...

Decio, gosto tanto da tua poesia que resolvi roubar-ta.
Hoje é dia da mãe em Portugal e em Angola. É dia das nossas mães. Somos manos, Decio, não leves a mal que faça igualmente meu este poema.
Resolvi homenagear a minhã já ida mãe no meu blogue, através das tuas poderosas e sensíveis palavras.
Obrigado por escreveres! Obrigado por falares português!
Alcídio Faustino
http://elqmf.blogspot.pt

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Alcidio,
Sou eu quem agradeço por sua simpática visita e mensagem. Obrigado pelas considerações que faz. É para mim um prazer, que tenha gostado do poema levado para o seu blog. Venha mais vezes, por favor, será sempre benvindo.

Um abraço.

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Alcidio,
Sou eu quem agradeço por sua simpática visita e mensagem. Obrigado pelas considerações que faz. É para mim um prazer, que tenha gostado do poema levado para o seu blog. Venha mais vezes, por favor, será sempre benvindo.

Um abraço.