Thursday, April 05, 2007

OS MEUS PÉS DESCALÇOS

Os meus pés andantes
Procuram a palanca real, palanca negra
E desencantam as quedas de Kalandula
Quedas da minha terra
Oh é bela Angola
É bela Angola e são felizes os meus pés caminhantes

Os meus pés empoeirados
Acariciam subsolo rico, ouro negro a jorrar no alto mar
Ouro negro a jorrar no offshore
E no onshore
Ouro negro a brotar
Das entranhas do mar, para os meus pés esfomeados!

Os meus pés garimpeiros
Apalpam tesouros e mais tesouros
Minas de diamante, ferro, cobre, prata, ouro…
Debaixo dos meus pés ásperos
Minas de diamante debaixo dos meus pés maltratados
Debaixo dos meus pés esfomeados

Os meus pés camponeses
Galgam a terra, terra boa de agricultura
Terra boa de verdura
E farta de feijão, mandioca, milho, batata…
Terra boa, terra farta
Debaixo dos meus pés famintos e felizes

Os meus pés pescadores
Banham-se em mares ricos
Mares de garoupas, corvinas, carapau, mariscos…
E mergulham em rios fartos, Kwanza, Kubango
Keve, Bengo…
Águas fartas a banharem os meus pés sofredores

Os meus bolsos vazios
Vêem outros bolsos vazios aterrar desnutridos
E depois, bolsos cheios
A levantar voo, a embarcar abastados
Bolsos cheios a embarcar com sorrisos
A embarcar abarrotados, oh que paraíso!

Os meus pés descalços
Clamam por migalhas, clamam por pedaços
Os meus bolsos vazios
Não clamam por milhões, não clamam por rios
Os meus bolsos vazios e os meus pés famintos
Clamam somente por migalhas de alimentos!


Décio Bettencourt Mateus
in "Os Meus Pés Descalços"

10 comments:

Namibiano Ferreira said...

Amigo Decio, da so uma olhada no meu blog tem la uma surpresa para ti. Kandandu Namibiano

Nelson Ngungu Rossano said...

Bem kamba Décio,
de novo meus parabéns pelo livro,
e este poema é só um cheirinho do que vem no resto do livro...

Tenho que ler...

kandandu grande

Olho Atento said...

SIMPLES E INCISIVOS. BELOS POEMAS. GOSTEI. É TB A RETRIBUIÇÃO DA VISITA AOS 10encantos.
CÁ VOLTAREI COM CERTEZA.

NAMIBIANO FERREIRA said...

Os meus pés descalços
Clamam por migalhas, clamam por pedaços
Os meus bolsos vazios
Não clamam por milhões, não clamam por rios
Os meus bolsos vazios e os meus pés famintos
Clamam somente por migalhas de alimentos!
Isto e' profundamente belo, triste e muito serio... Nao me canso de ler estes pes descalcos... Kanadandu Mano, Namibiano

Decio Bettencourt Mateus said...

Kamba Namibiano: Muito obrigado. Vamos tentando fazer ouvir a voz das nossas gentes martirizadas e sofridas!

Kandandu,

Décio Bettencourt Mateus

Sílvia Câmara said...

Decio,
Obrigada pela visita ao meu sítio e as palavras elogiosas.
Muito belo o seu "Pés descalços ".

Um abraço do lado de cá do atlântico.

Tania said...

Olá Decio,

De por acaso chegar a esta sua casa, me encontro agora profundamente emocionada com a sua poesia. Ela ecoa na alma, clama por um mundo mais justo e traça caminhos de vida.

Um abraço com muita admiração.

Tania

Leanne said...

Great work.

Decio Bettencourt Mateus said...

Leanne: Many thanks for the visit.

Anonymous said...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu