Monday, March 14, 2011

CRAVOS DA VERDADE

Que importam as dores duma verdade
sonho-realidade
e a tranca da porta
cravada nos sonhos
e desenhos
que arquitetamos em noite farta?

Que importa afinal o ruído inconfesso
nos teus passos esquivos
e furtivos
a ornamentarem horizontes
e fontes
dum qualquer outro verso?

Dorido escuto no silêncio das estrelas
o cântico das promessas
que cantaram nossas águas
em noites mornas de conversas
e luas
num ritual de whisky e velas!

Que importam os cravos da verdade
e espinhos da saudade?
estacionei numa noite de luar
e astros a sonhar
estacionei falas mansas
e saboreei tuas promessas!

Importa a distância no teu olhar?
Cruzei as ondas do mar
mergulhei fundo
vasculhei nosso mundo
no teu olhar perdido
vasculhei nosso mundo num coral escondido!

Importa tua mala arrumada
e vazia de promessas
a cruzar a estrada
e embalar novas pressas?
Importa? Sou sono dum tempo distante
e me assentei no cimo da nascente!


Décio Bettencourt Mateus.

in Xé Candongueiro!

Luanda, 09 de Maio de 2007.

7 comments:

Ana Tapadas said...

Tenho motivos,meu amigo poeta, para gostar como gosto da Literatura Angolana! Que belo poema!
BJS

Non je ne regrette rien: Ediney Santana said...

nossas dores diante a únca dor universal o que são eleas?

Fatima said...

Emocionante!
Como eu gosto de ler seus poemas!!!
Bjs.

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Obrigado Ana. Kandandu.

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Olá Ediney: quiça você tenha razão: provavelmente nada.
Obrigado pela visita. Volte sempre.

DECIO BETTENCOURT MATEUS said...

Obrigado Fatima. E eu gosto de suas visitas!

Fica bem.

AFRICA EM POESIA said...

Decio
Saudades Vai passando no meu blog,

Já nos encontramos à muito tempo . é bom mantermos as raízes dos amigos


Vim dizer que tenho para oferecer o selo das 100 Mil visitas que é...NOSSO pois caminhamos juntos...
um beijo